segunda-feira, 26 de abril de 2010

A Copa da publicidade

Como acontece em todos os anos de Copa do Mundo, a publicidade faz sua parte e de março até julho dezenas de comerciais falam sobre o maior evento do futebol. Mas convenhamos que algumas dessas propagandas, são simplesmente irrelevantes, não possuem nenhum vínculo da Copa com o produto anunciado.

Por mais que empresas de grande porte como a Brahma, que pela primeira vez patrocina o mundial já estejam acostumadas a usar o esporte preferido dos brasileiros como tema, às vezes as publicidades tornam-se batidas. Um exemplo disso é o comercial com Luis Fabiano e a seleção contra todas as outras.

Este exemplo ainda não é dos piores. O que dizer do apresentador Ratinho entrando em campo com a Milene Domingues? Você achou ruim? Mas não é só isso, até mesmo o técnico Dunga entrou na farra e é a estrela do comercial da operadora de telefonia Oi. Confesso que não consigo assistir aos cansativos minutos e troco de canal.

Entretanto, há aquelas que são mais originais ou engraçadas que caem no gosto do público. Seria essa então a fórmula para fazer uma boa publicidade? Basta lembrar das propagandas da Pepsi, sempre originais e com atletas fazendo aquilo que sabem fazer, jogar futebol. O mais recente conta com craques como Messi, Kaká, Drogba e Henry jogando uma 'pelada' em um campo africano com as pessoas formando as linhas do gramado.



Em 2006 a mesma Pepsi contou com Roberto Carlos, Ronaldinho Gaúcho, Beckham, Henry, Raul, Torres e Lampard em uma festa alemã estrelando um desafio engraçado e criativo. Além dos mais antigos com Denilson e Guga. Em 2002 antes da Copa da Ásia, Roberto Carlos aparece em outro comercial, desta vez ele engana os orientais ao bater uma falta.



Além destas propagandas, outras marcas também costumam usar a criatividade e o futebol. A Adidas em 2006 fez um daqueles comerciais que dá vontade de esperar em frente à Tv a sua execução. Ballack, Lampard, Platini, Klinsmann, Zidane, Riquelme, Kaká, Beckham, Oliver Kahn e meninos disputam uma partida em um terrão, quando a mãe de um dos meninos, o José, o chama para casa. O garoto pega sua bola e vai para casa, deixando todos perplexos.



A fabricante de cerveja Heineken é famosa pelo patrocinio da Champions League, mas seus comerciais geram comentários em todas as rodas de discussão de futebol. Mais uma vez o atrativo é a imaginação dos autores que fogem do comum. A nacional Antartica em 2006 teve esse lampejo de criatividade e agradou a todos (menos aos argentinos) ao convidar o ídolo rival a fazer a propaganda com a camisa brasileira, como se fosse um sonho ou pesadelo do hermano.

Se o retorno dos produtos anunciados serão realmente eficazes, isso somente o tempo irá dizer. Mas o fato é que quanto mais inovador e cômico for, mais são as chances de que daqui quatro, oito ou dez anos ele seja lembrado, e consequentemente a sua marca.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Rejeitados pelo Real, Robben e Sneijder ressurgem na Champions League

A atual fase de Bayern de Munique e Inter de Milão na Champions League e nos campeonatos nacionais devem-se ao bom momento vivido por dois holandeses talentosos e que em comum além de jogarem no meio de campo, tiveram pouco sucesso no Real Madrid. Arjen Robben e Wesley Sneijder comandam seus times e podem levar a seleção holandesa para um final feliz na Copa da África do Sul.

Robben tem 26 anos e começou a carreira no desconhecido FC Groningen da Holanda, após boa temporada foi comprado pelo PSV por 4,2 milhões de euros. No gigante holandês ele jogou 68 partidas, marcou 20 gols e ganhou a Eredivisie, o campeonato holandês. Foi comprado pelo Chelsea e ganhou duas vezes a Premier League antes de se transferir para o Real Madrid por 35 milhões de euros. Na espanha ele venceu La Liga 2007/08. Dois anos depois o meia foi negociado com o Bayern por 25 milhões de euros. Na Alemanha ele reencontrou o bom futebol, e já marcou 14 gols em 27 jogos, recorde de gols em uma temporada. Na Laranja ele marcou 11 vezes, uma delas na vitória sobre a Sérvia e Montenegro na Copa 2006.

Já Sneijder de 25 anos foi revelado pelo rival do PSV, o Ajax em 2003. Ganhou pelo Ajax a Eredivisie e a Copa dos Países Baixos. Em 126 partidas, o meia marcou 43 gols. Em 2007 transferiu-se para o poderoso Real Madrid. Na Espanha ele fez 52 partidas e marcou 11 gols. Em 2009 foi contratado pela Inter de Milão por 15 milhões de euros. Até aqui o holandês fez 21 jogos e fez 4 gols. Na seleção Sneijder fez 56 partidas e fez 12 gols. Em 2206 ele estava na equipe que disputou a Copa.

Mas a Laranja do técnico Bert van Marwijk que substituiu o ídolo Marco van Basten no comando da equipe em 2008, não pode depender somente de Arjen Robben e Sneijder, mas sim do conjunto. Afinal jogadores como van Bommel, Dirk Kuyt, Robin van Persie, Rafael van der Vaart e Huntelaar não podem ser deixados de lado. A base da equipe é boa e o grupo não é dos mais complicados com Dinamarca, Japão e Camarões. Na fase seguinte a seleção deve enfrentar o Paraguai caso se classifique em primeiro lugar.

Nas eliminatórias para a Copa, a Holanda teve 100% de aproveitamento, foram 8 vitórias 17 gols marcados e apenas 2 sofridos num grupo que tinha a sempre chata Noruega, a frágil Escócia e as fraquíssimas Macedônia e Islândia.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Aniston e Butler repetem atuações em Caçador de Recompensas

É impressionante que um trailer pode fazer com que um filme sem graça atraia a atenção, faça com que o público vá ao cinema numa segunda-feira. Ok, talvez mais uma vez eu esperasse mais de um filme e me decepcionei. O segredo é não esperar nada, nem ver trailer.

A verdade é que o filme Caçador de Recompensas (The Bounty Hunter) do diretor Andy Tennant (Hitch - Conselheiro Amoroso) é fraquíssimo. Uma comédia romântica com um toque de ação, mas que não engrena nem um nem outro. Não faz sentido, por exemplo, o período que o casal se hospeda na pousada, não faria falta se cortassem do roteiro. As cenas não se encaixam, não se conectam.

A trama mostra ainda uma Jennifer Aniston extremamente conhecida dos amantes de Friends, com mesmas expressões que fizeram sucesso na série, mas cansam quando se repete com personagens diferentes. Gerard Butler parece ter seguido o caminho da companheira de trabalho e mostra-se o mesmo homem que quer ser machão e sedutor de A verdade nua e crua.

Sinopse

Milo Boyd é um ex-policial que virou um caçador de recompensas e recebeu a missão de prender sua ex-mulher a repórter Nicole Hurly. A tarefa que parecia ser fácil torna-se complicada, pois Nicole começa a ser perseguida devido a uma reportagem que ela investiga sobre um assassinato e ambos vivem dias de confusões.

Ficha técnica:
O Caçador de Recompensas/ The Bounty Hunter
Comédia Romântica
Lançamento: 2010.
Direção: Andy Tennant
Duração: 110 minutos
Elenco: Gerard Butler, Jennifer Aniston, Christine Baranski.

domingo, 18 de abril de 2010

Anderlecht conquista título na Bélgica e revela jovem craque


O Anderlecht sagrou-se campeão belga pela trigésima vez neste fim de semana da melhor maneira possível, batendo o seu rival Brugge por 2 a 1. Com o título o clube quebrou a série do Standard de Liege que pretendia uma hegemonia no país, após o bicampeonato. Os Paars-Wit abriram ainda uma vantagem de 17 títulos sobre o Liege, que tem 13. Os gols foram marcados por Van Damme e Suarez para o Anderlecht e Sonck descontou.

Desde 2007 sem conquistar o torneio nacional, o clube do técnico Ariel Jacobs liderou a primeira fase do campeonato e se classificou 12 pontos a frente do segundo colocado, além do melhor ataque e da melhor defesa. Na fase decisiva foram 4 vitórias e 2 empates, e ainda restam quatro jogos para o fim. O título garante o clube nas eliminatórias da próxima Champions League.

O legado

Além do troféu o clube belga viu surgir uma das maiores promessas do futebol nacional e quiçámundial. Trata-se de Romelu Lukaku. O atacante de apenas 16 anos e 1,91 metros, chama a atenção de grandes clubes do futebol mundial, e é comparado ao craque marfinense Didier Drogba.

Se Lukaku será mais um dos grandes jogadores do cenário mundial ainda é difícil dizer, mas a boa fase que lhe rendeu até a estreia na seleção principal promete levar o jovem belga a voos mais altos. O gigante camisa 36 consegue reunir habilidade, velocidade e bom jogo aéreo, além do faro de gol. De acordo com sites europeus, o clube estaria disposto a negociar o gigante por 15 milhões de euros.

Os campeões

1896 FC Liège
1897 Racing Brussel
1898 FC Liège
1899 FC Liège
1900 Racing Brussel
1901 Racing Brussel
1902 Racing Brussel
1903 Racing Brussel
1904 Union
1905 Union
1906 Union
1907 Union
1908 Racing Brussel
1909 Union
1910 Union
1911 Cercle Brugge
1912 Daring CB
1913 Union
1914 Daring CB
1920 Club Brugge
1921 Daring CB
1922 Beerschot
1923 Union
1924 Beerschot
1925 Beerschot
1926 Beerschot
1927 Cercle Brugge
1928 Beerschot
1929 Antwerp
1930 Cercle Brugge
1931 Antwerp
1932 Lierse SK
1933 Union
1934 Union
1935 Union
1936 Daring CB
1937 Daring CB
1938 Beerschot
1939 Beerschot
1942 Lierse SK
1943 FC Mechelen
1944 Antwerp
1946 FC Mechelen
1947 Anderlecht
1948 FC Mechelen
1949 Anderlecht
1950 Anderlecht
1951 Anderlecht
1952 FC Liège
1953 FC Liège
1954 Anderlecht
1955 Anderlecht
1956 Anderlecht
1957 Antwerp
1958 Standard
1959 Anderlecht
1960 Lierse SK
1961 Standard
1962 Anderlecht
1963 Standard
1964 Anderlecht
1965 Anderlecht
1966 Anderlecht
1967 Anderlecht
1968 Anderlecht
1969 Standard
1970 Standard
1971 Standard
1972 Anderlecht
1973 Club Brugge
1974 Anderlecht
1975 RWDM
1976 Club Brugge
1977 Club Brugge
1978 Club Brugge
1979 SK Beveren
1980 Club Brugge
1981 Anderlecht
1982 Standard
1983 Standard
1984 SK Beveren
1985 Anderlecht
1986 Anderlecht
1987 Anderlecht
1988 Club Brugge
1989 KV Mechelen
1990 Club Brugge
1991 Anderlecht
1992 Club Brugge
1993 Anderlecht
1994 Anderlecht
1995 Anderlecht
1996 Club Brugge
1997 Lierse SK
1998 Club Brugge
1999 Racing Genk
2000 Anderlecht
2001 Anderlecht
2002 Racing Genk
2003 Club Brugge
2004 Anderlecht
2005 Club Brugge
2006 Anderlecht
2007 Anderlecht
2008 Standard
2009 Standard
2010 Anderlecht

Veja alguns lances do jovem belga Lukaku.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

O silêncio dos conscientes

Daniel Piza é um daqueles jornalistas que quando o jovem entra na universidade e começa a estudar jornalismo, aprende a admirar. Um exemplo a seguir. Se o estudante gosta de cultura e esportes então, Piza é uma ótima pedida.

Na segunda-feira li em seu blog um texto sobre os anos da era Lula no governo brasileiro. Ali reconheci uma das melhores análises sobre os eleitores de Lula e o que pensam. O colunista do Estadão e comentarista da rádio Eldorado sintetisa em cinco parágrafos ideias e conclusões dos eleitores, com o título de O silêncio dos conscientes.

Pois nesta quarta-feira e hoje também, tive a oportunidade e o prazer de conhecê-lo. Pedi então a autorização para publicar seu texto em meu blog. Pedido aceito. Segue então, na integra, o texto de Piza. Daniel entra para o time de grandes jornalistas que admiro e pude conhecer, como Ricardo Kotscho, Milton Jung, Juca Kfouri, PVC e Mauro Betting.

O silêncio dos conscientes

Por Daniel Piza

O governo Lula está em seu último ano, mas no pensamento de muita gente parece que o tempo não passou. Quem o idolatrava desde antes se dividiu em dois grupos. O maior é o dos que perdoam tudo por causa de sua popularidade, que seria sustentada basicamente pelos programas sociais, e acham que ele fez mais que podia. O grupo menor é o dos que se sentem frustrados porque ele não fez o que prometeu durante 20 anos e, em especial, viram que a corrupção continua à toda. Nenhum dos dois grupos mudou seu modo de pensar, mesmo diante dos fatos. Os fãs dizem que ele fez o primeiro governo na história a olhar para os pobres. Os traídos resmungam, mas não reconhecem que estavam errados quando diziam que o PT não era nem cínico nem corrupto.

A paralisia mental não é só dos antigos apoiadores, que se diziam e ainda se dizem “de esquerda”, embora o próprio Lula já não se diga. É também dos que antes o repudiavam. Neste caso, a maioria simplesmente diz que Lula mudou para melhor – ou seja, não incomodou o mercado, até o ajudou bastante – e desdenha a questão ética, afinal todos os políticos são assim mesmo, no Brasil e no mundo. Nesta maioria está a maioria dos brasileiros, que antes só lhe davam 30% dos votos e hoje o aprovam em 73% porque a economia melhorou, o desemprego caiu, a nação tem sido elogiada, etc. E há uma minoria, “de direita”, que critica o governo Lula quase sempre de um ponto de vista personalista, que o xinga de analfabeto e autoritário e acha que todo o sucesso de seu governo foi concebido antes dele ou a despeito dele.

Os fatos, como diria lorde Keynes, deveriam ter mudado essas ideias. Intelectuais conhecidos chegaram a dizer que o escândalo do mensalão, por exemplo, era uma crise “sem importância”. Mas um sujeito e um partido que constroem sua fama em torno da palavra “ética” devem ser no mínimo cobrados de modo igual. No entanto, a sucessão de falcatruas multipartidárias e a mise-en-scène da Polícia Federal anestesiaram a indignação. O conluio com o PMDB de Sarney et caterva, que na semana passada derrubou a ação popular que queria proibir candidatos com ficha suja, não os leva às tribunas de protesto. A impunidade de Waldomiros e Delúbios não gera manifestos e passeatas. Já os articulistas que sempre pintaram Lula como camarada-mor do socialismo democrático e agora se queixam, como que surpresos, não conseguem entender que não tenha mudado o “modelo econômico”.

Lula sempre disse que mudaria o tal modelo, mas o maior trunfo de seu governo foi não ter mudado, ou melhor, foi tê-lo aprimorado. Câmbio flutuante, superávit primário, metas de inflação e aumento das reservas seguiram com apuro ainda maior, para alegria de FMIs e agências de investimentos, graças à autonomia branca concedida ao BC de Henrique Meirelles. E a política de crédito foi tão superior que se converteu num fator de popularidade mais determinante que o Bolsa Família, outro aprimoramento do que existia. Articulistas tucanos que dizem que o governo FHC foi uma ilha de “racionalidade” em nossa história não querem admitir, mas a aprovação do governo Lula, para desgosto de esquerda e direita, tem tudo a ver com isso – inclusive com o empuxo econômico dado pelas privatizações.

O resultado é que temos um governo muito mal analisado, que por isso mesmo navegou sobranceiro no segundo mandato. Os traídos e os detratores foram se cansando, vergados pelas pesquisas. Aqui e ali, diante de um pequeno escândalo ou outro, ou de algumas recaídas populistas contra a “zelite” e a “imprensa burguesa”, críticas foram feitas, mas sem efeito. Os anos Lula geraram uma pasmaceira geral, calando até os que se diziam conscientes das mazelas nacionais. Nenhuma reforma séria foi a cabo; a renda apenas recuperou o valor de uma década atrás; a maioria continua sem ensino de qualidade, sem esgoto nem justiça, mas pagando impostos absurdos; a ladroeira em todos os níveis passou a ser tratada como deslizes da natureza humana ou meras praxes como caixa 2; a estatização e a defesa de países autoritários voltaram ao discurso; o presidente desdenha das instituições e leis quase todo dia. E quase nada coerente se ouve. Durma-se com um silêncio destes.

(”Sinopse”)

Texto retirado do site http://blogs.estadao.com.br/daniel-piza/

Daniel Piza, nasceu em São Paulo em 1970 e estudou Direito no Largo de São Francisco (USP), começou sua carreira de jornalista em O Estado de S. Paulo (1991-92), onde foi repórter do Caderno2 e editor-assistente do Cultura. Trabalhou em seguida na Folha de S. Paulo (1992-95), como repórter e editor-assistente da Ilustrada, cobrindo especialmente as áreas de livros e artes visuais. Foi editor e colunista do caderno Fim de Semana da Gazeta Mercantil (1995-2000). Em maio de 2000, retornou ao Estado como editor-executivo e colunista cultural; desde 2004 assina também uma coluna sobre futebol. Colabora com a revista Continente Multicultural, entre outras, e é comentarista da rádio Eldorado. Traduziu oito títulos, de autores como Herman Melville e Henry James, e organizou seis outros, nas áreas de jornalismo cultural e literatura brasileira. Escreveu 16 livros, entre eles Jornalismo Cultural (2003), a biografia Machado de Assis - Um Gênio Brasileiro (2005) e Aforismos sem Juízo (2008). Fez também os roteiros dos documentários São Paulo - Retratos do Mundo e Um Paraíso Perdido - Amazônia de Euclides.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Conheça a ilha de Lost dos lideres da América Latina

Circula na internet um video que já foi exibido mais de 715 mil vezes no YouTube, trata-se de uma charge chamada Isla Presidencial (em português Ilha Presidencial) que faz uma sátira com os lideres da América Latina. Criado por cartunistas venezuelanos, o video mostra a cúpula Ibero Americana liderada pelo presidente Lula. Após o encontro, todos partem para o navio de Lula para um cruzeiro cheio de festas e bebidas.

Lula comanda o navio, mas depois de uma breve briga entre Álvaro Uribe e Hugo Chávez - um quer que Lula vire o barco para a direita e outro para a esquerda, fazendo assim uma engraçada e bem bolada comparação com a realidade da América Latina - o barco bate em uma pedra, e doze náufragos se salvam em uma ilha deserta. Temos aí outra comparação, desta vez com o seriado americano Lost.

Além de Lula, Uribe e Chávez, aparecem no video a presidenta Cristina Kirchner da Argentina, o boliviano Evo Morales, e os presidentes do Chile, Equador, Nicarágua, México, Peru e o Rei da Espanha, além do chefe do governo espanhol.

Os blogueiros autores da charge Oswaldo Graziani, Àlvaro Mora e Juan Andrés Ravell, do blog El Chiguire Bipolar prometeram fazer mais três episódios, sendo que o segundo já circula na internet e no blog.

Primeiro episódio.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Matt Damon vive um confuso executivo em O Desinformante!


Neste fim de semana de frio reservei algumas horas para assistir ao filme O Desinformante! (The Informant!) com o talentoso Matt Damon no papel principal e participação de Scott Bakula. O filme de Steven Soderbergh baseia-se numa história real e gira em torno de mentiras contadas por Mark Whitcare (Matt Damon).

A comédia é inteligente, nada de frases e atos forçados para o expectador rir a qualquer custo. A trama mostra o cotidiano de Whitcare um bem sucedido executivo na fábrica de milho, ADM, no começo da década de 1990. No entanto um telefonema denunciando um suposto sabotador na fábrica, muda o rumo de sua vida. Whitcare começa a trabalhar com o FBI e se torna (des) informante do governo, denunciando formação de cartel na empresa que trabalha.

Sentindo-se um agente secreto a serviço do governo, Whitcare ainda acredita que conseguirá uma promoção na ADM, e passa a usar fitas para gravar conversas e provar a formação de cartel. Mas as fitas e os relatos narrados por Whitcare acabam confundindo mais os agentes do FBI e talvez até a si.

A atuação de Damon no papel do executivo é sensacional, as diversas faces que ele dá a um mesmo personagem e suas confusões numa comédia um tanto quanto diferente valem os 108 minutos de filme. Ao assistir lembre-se de desconfiar de tudo que ouvir.

Ficha técnica:
O Desinformante/ The Informant
Comédia, Drama, Suspense.
Lançamento: 2009.
Direção: Steven Soderbergh
Duração: 108 minutos
Elenco: Matt Damon, Scott Bakula (Jonathan Archer de Star Trek: Enterprise), e Melanie Lynskey ( a Rose de Two and a Half Man).

domingo, 11 de abril de 2010

Panathinaikos vence a Super League 2009/2010


Depois de cinco temporadas de domínio do Olympiakos na Grécia, o Panathinaikos dos brasileiros Gabriel e Gilberto Silva quebra a hegemonia do rival e conquista seu vigésimo título na competição.

Desde 2004 sem levantar o troféu, época em que conquistou também a Copa da Grécia, os verdes venceram hoje o Iraklis Salonica por 2 a 0, chegaram aos 67 pontos e abriram seis pontos de vantagem para o rival Olympiakos. Faltando apenas uma rodada para o fim da liga, o PAO (sigla de Panathinaikos Athlitikos Omilos) garantiu o título e a vaga na próxima Champions League.

A campanha na Super League mostra a superioridade da equipe verde. Melhor ataque, segunda melhor defesa, mais vitórias e o artilheiro Djibril Cissé, com 23 gols. O único ponto negativo foi a derrota no clássico com o Olympiakos pelo placar mínimo.

O centenário clube de Atenas é a base da seleção que vai disputar a Copa do Mundo em junho, e enfrenta Argentina, Nigéria e Coreia do Sul, pelo grupo b. No último amistoso antes da Copa a seleção tropeçou em casa, derrota para Senegal por 2 a 0. No ranking do mês de março a seleção figurava na 11ª posição.

Entre os atletas que jogaram no encontro com Senegal, estão o goleiro Tzorvas Alexandros, os zagueiros Spyropoulos Nikolaos e Vyntra Loukas, os meias Karagounis Georgios, Katsouranis Konstantinos e Tziolis Alexadros, além dos atacantes Christodoupoulos Lazaros e Salpingidis Dimitrios.

sábado, 10 de abril de 2010

Peñarol é campeão do Clausura

Os Aurinegros celebraram o título do Clausura neste sábado no estádio Centenário diante do segundo colocado Fênix, na vitória de virada por 2 a 1. Restam ainda três jogos para o término do Clausura e o clube segue com 100% de aproveitamento em 12 jogos. Além do título antecipado os Carboneros garantiram vaga na próxima edição da Libertadores da América.

A decisão do campeão uruguaio do ano (jogo entre os vencedores do Apertura e Clausura) será contra o rival Nacional, que amanhã recebe o Danubio. Além de liderar o Clausura, o Peñarol está na frente também da tabela anual, o que lhe dá a vantagem na decisão. É importante lembrar que em 2003 quando conquistou o torneio pela última vez, os aurinegros eram treinados pelo atual técnico Diego Aguirre.

Há uma semana aqui no blog postei sobre a campanha do clube. Vale à pena conferir.

Ficha:

Fénix: Danilo Lerda, Gerardo Varela, Santiago Fogst, Santiago Tabárez, Jonathan Píriz, Gonzalo Papa, Claudio Rivero, Carlos Aguiar, Matías Mier, Osvaldo Canobbio e Gerardo Acosta. T: Rosario Martínez.

Peñarol: Sebastián Sosa, Matías Aguirregaray, Gerardo Alcoba, Guillermo Rodríguez, Darío Rodríguez, Sergio Orteman, Marcelo Sosa, Jonathan Urretaviscaya, Gastón Ramírez, Antonio Pacheco e Alejandro Martinuccio. T: Diego Aguirre.

Estádio: Centenário

Árbitros: Jorge Larrionda, Pablo Fandiño y Marcelo Costa.

Gols : Matías Mier (F) 5’; Alejandro Martinuccio (P) 18’; Jonathan Urretaviscaya (P) 47’.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Faltam 3 jogos para o tetra

Antigo simbolo do Barcelona

Depois de bombardear o Arsenal com 4 tiros do argentino Messi, o Barça tem a chance de fazer história e vencer a Champions League na casa do seu maior rival, o Real Madrid, no Santiago Bernabeu, algo nunca visto na Champions League, apesar de poucos casos parecidos, como veremos.

Com os quatro gols marcados hoje, Lionel chegou a oito e passou Cristiano Ronaldo, o luso fez sete na liga. Madrid e seus torcedores já começam a ter pesadelos com a pulga e seus amigos fazendo festa na capital espanhola. Vale lembrar que os dois times ainda se enfrentam pelo espanhol, na luta pelo título.

Depois de vencer a LC em 1956/1957, o Real viu seu estádio virar palco para times estrangeiros na Champions League. Em 1979/1980 o Bernabeu viu os alemães do Hamburgo serem derrotados pelos ingleses do Nottingham Forest por 1 a 0. Em 1968/1969 o Milan venceu o Ajax por 4 a 1.

Em algumas ocasiões como em 1996/1997 o Dortmund venceu a Juventus em Munique, Juventus que no ano anterior levou a LC em Roma. Liverpool e Manchester venceram em Londres e o Ajax em Roterdã. Mas nada comparável a rivalidade entre Real e Barça. Madrid e Catalunha.

A campanha dos blaugranas mostra que é um time que sabe jogar a LC. Bobeou quando podia, na fase de grupos e mesmo assim terminou em primeiro. Nas eliminatórias empate fora e goleada em casa contra Stuttgart e Arsenal. O próximo adversário é a Inter de Milão, mesmo rival da estreia. Na fase de grupos, um empate sem gols em Milão e vitória por 2 a 0 no Camp Nou.

No caminho para o tetra, restam 3 jogos. A possibilidade de repetir a final de 2009 é grande. Já que amanhã o Manchester enfrenta o Bayern e precisa de uma vitória simples para avançar. E caso passe, os Red Devils que também tentam o tetra, não devem ter dificuldades contra o Lyon ou Bordeaux. Pode ser a primeira vez na história que a final do ano anterior se repita. E mais, caso o Manchester avance, será a sexta vez seguida que um clube inglês chega a final, desde 2004/2005. A terceira dos Diabos vermelhos nos últimos três anos.

sábado, 3 de abril de 2010

O retorno do gigante

Os amantes do futebol sul-americano e uruguaio estão em êxtase com o campeonato nacional de 2010. O motivo é a ressurreição do primeiro vencedor do campeonato uruguaio, primeiro ganhador da Libertadores e maior vencedor do país, o Peñarol.

Os aurinegros fazem uma campanha impecável no Clausura 2010. Foram 10 jogos disputados e a incrível série de 10 vitórias. O centenário clube de montevidéu não vence o torneio desde 2003, de lá pra cá ainda viu o seu maior rival Nacional levar 3 vezes o caneco.

Além do aproveitamento de 100% o clube tem o melhor ataque com 30 gols e uma vantagem de 10 pontos para o segundo colocado Fênix, que tem um jogo a menos. O artilheiro também é aurinegro, Antonio Pacheco com 13 gols.

O Peñarol jogou as últimas três partidas fora de casa e ainda assim conseguiu manter-se invicto. Com a vitória sobre o Defensor na última rodada, o clube assumiu a liderança na classificação geral, a soma do Apertura e Clausura, com um ponto a mais que o Nacional.

Com um desempenho tão empolgante, já é possível sonhar com uma participação na Libertadores do ano que vem. Isso se o clube conseguir manter os jogadores que são destaques no elenco. A imprensa já cogita a hipótese de o clube perder os destaques Ramírez (19 anos), Mezquida e Palacios para o futebol europeu. Segundo o Diario El Pais o ex-zagueiro da seleção holandesa Stam, está a serviço do PSV para observar os talentos aurinegros.

O Peñarol é o time que mais participou da Libertadores - 38 vezes- e é o terceiro maior ganhador com cinco títulos, mas não participa da fase de grupos da principal competição sul-americana desde 2004, quando caiu ainda na primeira fase, num grupo que tinha América do México, The Stongest da Bolívia e São Caetano.


Neste domingo o lider enfrenta o Cerrito no centenário e tenta manter a histórica campanha. Para a alegria dos aurinegros, uruguaios e sul-americanos, exceto talvez os torcedores do Nacional.

Hino
http://www.escudosonline.com/arquivos_mp3/c/clubes_estrangeiros/uruguai/penarol.mp3

Homenaje a Peñarol